OBJETIVOS

Formar agentes qualificados; Acolher toda família a partir da realidade em que se encontra; Santificar os laços familiares; Apoiar a família no seu papel educador; Promover a missão em família; Valorizar os tempos litúrgicos e datas civis; Articular o trabalho em conjunto com as outras pastorais e movimentos eclesiais; Estabelecer articulações também com forças externas à Igreja.

MISSÃO

A missão evangelizadora da Pastoral Familiar é a defesa e promoção da pessoa em todas as etapas e circunstâncias da vida e a defesa dos valores cristãos para o matrimônio e os relacionamentos pessoais e familiares. Para isso, é imprescindível promover articulações dentro e fora da Igreja, para defender a vida em todas as suas etapas e dinamizar e orientar ações em favor da família. A Pastoral Familiar possui quatro metas principais: Fazer da família uma comunidade cristã; Fazer com que a família seja santuário da vida; Resgatar para a família seu justo valor de célula primeira e vital da sociedade; Tornar a família missionária e Igreja doméstica.

COMO ESTÁ ORGANIZADA

Para alcançar os objetivos propostos, foi instituída a Comissão Nacional da Pastoral Familiar – CNPF composta pelo bispo presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e Família, pelos bispos conselheiros, pelo assessor nacional, pelo casal coordenador nacional e pelos bispos, assessores e casais representantes da Pastoral Familiar nos 17 Regionais da CNBB e pelos representantes nacionais dos movimentos eclesiais, institutos e serviços familiares. Considerando a realidade brasileira e a experiência eclesial, a Comissão episcopal Pastoral para a vida e a Família, propõe a seguinte organização em nível diocesano e paroquial:

 

a) Setor Pré Matrimonial

Preparação Remota. Articular com: crisma, jovens, catequese e escola.

Preparação próxima: evangelizar namorados e noivos.

Preparação Imediata: diálogo com o Padre, retiro espiritual, rito sacramental e celebração.

 

b) Setor Pós Matrimonial

Oferecer ajuda e formação para recém-casados e grupos familiares. Formação contínua para a vida conjugal, familiar e comunitária e celebrações especiais.

 

c) Setor Casos Especiais

Os casais em segunda união e seus filhos sejam acolhidos, acompanhados e incentivados, conforme sua situação, a participarem da vida da Igreja, segundo as orientações do Magistério (cf. Diretrizes…, n. 133). Acompanhar as diferentes realidades das famílias de migrantes, mães e pais solteiros, famílias com filhos deficientes ou drogados, famílias distanciadas da igreja, matrimônios mistos, atenção especial aos idosos, viúvos, casais em segunda união, alcoolismo etc.